Início dos atalhos. Fim dos atalhos.
Início do topo.
Fim do topo.
 
Escolas Criativas traz orientações para professores e gestores

Escolas Criativas traz orientações para professores e gestores

Marina Almeida
28/04/2020
Compartilhar:

O incentivo à criatividade e à inovação como método e forma de pensar, servindo da gastronomia à educação. Essa é a premissa da Coleção Escolas Criativas, uma série de publicações voltadas à equipe da direção escolar e a professores que buscam transformar as escolas e o ensino tradicional. Criada na Espanha, numa parceria da Fundação Telefônica com o famoso chef Ferran Adrià, a coleção chega ao Brasil traduzida e com download gratuito. 

Maria Burdiel (foto ao lado), mais conhecida como Madaria Burdiel, coordenadora da coleção na Espanha, explica que os livros Sapiens da escola e Genoma da escola são voltados para a equipe gestora das unidades, já o EduSapiens, Meu genoma criativo e Menu de aprendizagem têm como público-alvo os professores que buscam transformar sua prática de ensino.

Na entrevista a seguir, ela fala sobre a criação do material e as diferentes formas de utilizá-lo, de acordo com as necessidades e o estágio de desenvolvimento de cada projeto. Leia.

Desafio Inova Escola: Qual o objetivo principal de cada um deles? Que recomendações daria aos gestores e professores que desejam aplicar esse material na escola?

Maria Burdiel: A coleção foi pensada de modo que o primeiro livro funcione como uma introdução, explicando o projeto, o contexto de seu surgimento e sendo um pequeno guia para o uso dos demais livros – para quem eles se destinam, o que encontrarão neles e como usá-los.

Os livros Sapiens da escola e Genoma da escola são voltados às equipes de gestão das escolas e têm como objetivo principal a transformação de todo o sistema escolar. Os três livros restantes – EduSapiens, Meu genoma criativo e Menu de aprendizagem – são direcionados aos professores. Seu objetivo é fornecer ferramentas e estratégias para introduzir a inovação e a criatividade em sua prática diária.

A ideia da coleção é responder ao maior número possível de profissionais que trabalham com educação. De um lado, encontramos equipes de direção com clara vocação inovadora e totalmente convencidas da necessidade de promover mudanças nas escolas para transformar o sistema educacional. De outro lado, encontramos professores com essa preocupação e que se sentem sozinhos, sem apoio da gestão escolar, e com poucas ferramentas para esse trabalho. Esses professores são muito importantes, pois são, em muitos casos, o pontapé inicial que a escola precisava para começar a se dar conta da necessidade de realizar mudanças.

O uso desses materiais é livre, conforme a necessidade de cada escola e professor. Os profissionais podem começar a leitura pelo primeiro volume e seguir a sequência da coleção. Ou podem utilizar os livros para fazer consultas, dependendo do estágio em que se encontre cada professor ou equipe de direção, pois nem todos têm as mesmas necessidades, nem estão no mesmo momento do processo de mudança e inovação. Queremos evitar que esta coleção seja utilizada como um livro de receitas, que devem ser seguidas passo a passo para alcançar uma meta. Aqui não existem receitas, existem dicas e sugestões de caminhos para que cada um consiga criar sua própria receita.

Desafio Inova Escola: Como a criação gastronômica inspirou o projeto de trabalhar com escolas?

Maria Burdiel: A inspiração veio de uma exposição realizada no Espaço Fundação Telefônica (na Espanha)  sobre o processo criativo do chef Ferran Adrià (foto ao lado) e de sua equipe do restaurante Elbulli, que rendeu a eles o título de melhor restaurante do mundo por cinco anos consecutivos. Na exposição, eles defendiam a tese de que o processo aplicado à gastronomia poderia ser realizado em qualquer outra área. 

Na época, nós, da equipe educacional do Espaço, elaboramos e desenvolvemos uma oficina para professores, aplicando parte desse processo às escolas – sempre apresentando previamente nosso plano de atividades voltado para o público escolar. 

Esse trabalho foi bem recebido e Adrià se entusiasmou ao ver que, em um setor desconhecido para ele, tão complexo e importante como a educação, sua proposta metodológica estava sendo aplicada com certo sucesso. Isso nos levou a uma ampliação do trabalho, focando-o nas necessidades educacionais. Para isso, contamos com a colaboração de especialistas em educação, ORBInova e aulaBLOG, que procuraram adaptar os processos desenvolvidos na cozinha para a sala de aula e para a escola.

Desafio Inova Escola: Como a escola (e a sociedade) pode superar o estereótipo de criatividade como um dom recebido por poucos gênios? 

Maria Burdiel: É preciso se convencer de que a criatividade pode ser trabalhada. Há quem tenha mais facilidade, como em todas as habilidades, mas, com trabalho, todos podemos ser criativos.

Desafio Inova Escola: Um projeto específico – que busque a inovação em determinado campo ou disciplina – pode fazer com que a escola como um todo se movimente no sentido de uma maior inovação? Se sim, como essa movimentação pode acontecer? E, por outro lado, um projeto inovador numa escola pouco inovadora pode ter dificuldade de se efetivar por conta de uma estrutura escolar rígida?    

Maria Burdiel: É disso que se trata este projeto: uma mudança estrutural de toda a escola em direção a um modelo mais inovador e adequado ao nosso tempo, de um ensino que sabe que está formando estudantes para um futuro desconhecido, para o qual devemos oferecer ferramentas que ajudem a lidar com as mais diferentes áreas.

É por isso que nesta coleção o público-alvo é bem diferenciado. Os cadernos voltados às equipes gestoras foram projetados para escolas que têm interesse em realizar mudanças – que podem ser mais ou menos inovadoras. Às vezes há o desejo de mudar, mas ninguém sabe o que fazer, por onde começar. Outras vezes, essa vocação já é muito acentuada e os processos de transformação já começaram, e neste caso os livros podem servir de apoio à equipe. 

Na verdade, essa parte é a que consideramos mais interessante, a que representa um movimento sistêmico de toda a escola, mas estamos muito conscientes de que nem sempre há equipes de gestão unidas e com as mesmas preocupações inovadoras. Mas nesses ambientes também há professores convencidos da necessidade de transformar a maneira de aprender e compartilhar conhecimento, por isso há três volumes dedicados a eles – para que utilizem diferentes ferramentas, dependendo do momento em que se encontram, para alcançar essa mudança.

Desafio Inova Escola: Em diversos cadernos, vemos a importância de se fazer boas perguntas para desenvolver um projeto. Aprender a fazer perguntas é, de alguma forma, se aproximar do método científico?

Maria Burdiel: Questionar constantemente é a premissa, questionar tudo e procurar soluções ou respostas é o que nos faz avançar, nos torna reflexivos, críticos. Sim, pode ser a aplicação de um método científico à compreensão do mundo à nossa volta, a nós mesmos, à nossa maneira de aprender e evoluir.

 
 
TAGS: Educação Inovação Desafio Escola

Comentários

Comentários